Defenda Sua Moto: A Nova Tendência Antifurto que Está Transformando a Segurança das Motocicleta


No decorrer dos primeiros quatro meses deste ano, foi possível observar um aumento significativo de 27,6% nos casos de subtração e extravio de motocicletas em relação ao mesmo período do ano passado. Esses dados foram minuciosamente analisados e divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. O sentimento de insegurança tem levado os proprietários de motos a tomarem medidas preventivas visando minimizar o interesse dos delinquentes.



Edgar Francisco da Silva, cujo apelido é "Gringo", ocupa o cargo de presidente da AMABR (Associação dos Motofretistas de Aplicativos e Autônomos do Brasil). Ele esclarece que a estratégia conhecida como "proteção antifurto" se tornou uma prática quase obrigatória para aqueles que dependem de motocicletas na região metropolitana de São Paulo. O foco principal dessa abordagem é desencorajar a comercialização ilícita de peças, uma das principais motivações por trás dos roubos e furtos de motos.



"Estamos falando de um dispositivo que registra tanto o número da placa quanto o número de chassi em todas as partes removíveis da motocicleta. Isso cria uma barreira para que os infratores não possam revender essas peças no mercado negro no futuro", explica o "Gringo".


Além disso, essa solução de proteção, com valores variando entre R$ 150 e R$ 220, incorpora uma característica adicional que serve como sinal para indicar que a moto está "protegida" contra tentativas de roubo:


"A empresa aplica adesivos refletivos nas peças que receberam a proteção. Essa abordagem faz com que os criminosos, ao observarem de longe, pensem duas vezes antes de agir e optem por buscar alvos mais fáceis. Essa estratégia alternativa foi desenvolvida como uma resposta direta à crescente preocupação com a segurança", detalha o líder da associação.


Rodrigo Boutti, especialista em segurança pública, adiciona que, até que todos os criminosos estejam cientes dessa nova medida, a proteção oferecida pelo dispositivo dificulta a revenda de motos roubadas ou furtadas:


"Quando o ladrão tenta passar a moto protegida para um comprador, este recusa, pois está ciente de que a moto não tem valor nesse cenário. O registro do número de chassi é uma prova concreta de que a peça é resultado de uma atividade criminosa, mesmo que o número seja removido. Quando a moto é verificada por uma autoridade de trânsito, a verdade será revelada", afirma.


Apesar de algumas instalações de desmontagem tentarem apagar as gravações por meio de técnicas como lixamento e repintura, "Gringo" ressalta que esse processo é complexo e, ainda assim, não é perfeito devido à profundidade das gravações. "Os criminosos costumam preferir buscar alvos mais fáceis."


A abordagem preventiva tem se mostrado eficaz, a ponto de empresas que mantêm frotas de motocicletas aderirem a essa medida. A Motoca, uma empresa que oferece serviços de aluguel de motos, protegeu todas as suas 900 motocicletas como parte dessa iniciativa. "O investimento é modesto em comparação com os benefícios obtidos. A novidade tem gerado um interesse generalizado em adotar essa proteção", afirma o presidente da associação.  #SegurançaMoto #PrevençãoRoubos #MotosProtegidas #InovaçãoSegurança

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alarmes Genuínos Honda: Proteção Avançada para sua Moto

Guia Completo: Alarmes para Moto - Escolha o Melhor para sua Segurança